Escolha o Idioma

2/06/2016

Anemia Hemolítica



A anemia hemolítica é uma doença autoimune, mais comum entre as mulheres do que entre os homens. Ela é caracterizada pela produção de anticorpos que reagem contra os eritrócitos, que são as células vermelhas do sangue, destruindo-as e produzindo a anemia.

Esta doença tem uma evolução muito rápida e, na maioria dos casos, não se identifica a causa. Seu tratamento pode ser medicamentoso ou cirúrgico.

Sintomas da anemia hemolítica

Os sintomas da anemia hemolítica são:

  • Fraqueza
  • Sensação de desmaio
  •  Palidez
  • Falta de apetite
  • Tontura
  • Cansaço
  • Sono
  • Indisposição
  • Dor de cabeça
  • Unhas fracas
  • Pele seca
  • Queda de cabelo
  • Falta de ar
  • Palidez nas mucosas dos olhos e boca
  • Falhas na memória
  • Dificuldades na concentração
  • Tipos de anemia hemolítica

Existem vários tipos de anemia hemolítica, entre elas, uma que é ativada por temperatura baixas e é denominada anemia hemolítica de anticorpos reativos ao frio. Já outra é ativada por temperaturas altas, conhecida como anemia hemolítica de anticorpos reativos ao calor.

Diagnóstico da anemia hemolítica

O diagnóstico da anemia hemolítica é feito através de exames ao sangue que identificam anticorpos contra as próprias células do sangue. Saiba mais em: Exames que confirmam a anemia.

Tratamento para anemia hemolítica

O tratamento pode envolver a remoção cirúrgica do baço, a administração de corticosteroides, como a prednisona, ou drogas imunossupressoras, como a ciclosporina e ciclofosfamida, por exemplo.

Melhores sucos para curar a anemia

Os sucos de frutas cítricas e vegetais folhosos de cor verde escura são excelentes para curar a anemia ferropriva porque são ricos em ferro e vitamina C, que ajuda a absorver melhor o ferro.
Estes sucos podem ser ingeridos diariamente, mas não devem ser a única forma de tratamento, sendo importante também o consumo diário de alimentos ricos em ferro como bife de fígado, carne de vaca e gema de ovo. Veja mais exemplos destes alimentos em: Alimentos ricos em Ferro.
Se os sintomas da anemia permanecerem mesmo após a alimentação rica em ferro deve-se ir ao médico para investigar o tipo de anemia que possui para iniciar o tratamento adequado, que pode incluir o uso de outros medicamentos como a penicilina ou imunossupressores e, quando a anemia é muito grave, pode ser necessária a transfusão sanguínea.

Sintomas de falta de ferro

O ferro é um mineral essencial para a saúde e sua falta gera anemia. Os sintomas da falta de ferro no organismo são:

·         Cansaço extremo, sono frequente ou desânimo;
·         Dificuldade para aprender ou ficar atento;
·         Tornozelos inchados ou inchaço em outras articulações;
·         Queda de cabelo ou fios fracos e quebradiços;
·         Pele pálida ou interior das pálpebras sem cor;
·         Falta de apetite, alterações no paladar ou língua lisa;
·         Infecções frequentes, devido à baixa da imunidade.

A falta de ferro no sangue pode estar relacionada à má alimentação, isto é, uma alimentação pobre em ferro, ou à perda de grandes quantidades de sangue, seja através de uma hemorragia ou através de grande fluxo durante menstruação, como ocorre nas mulheres que possuem um mioma, por exemplo.

Como aumentar a quantidade de ferro no organismo

Para combater estes sintomas, recomenda-se o consumo de alimentos ricos em ferro, como os de origem animal, assim como as frutas como damasco seco, ameixa preta seca e morangos, que são ricas em ferro.

No entanto, em qualquer caso é importante fazer um exame de sangue para confirmar o diagnóstico e observar os níveis de ferro. Se o médico achar que os níveis de ferro estão muito baixos na corrente sanguínea, ele poderá indicar a suplementação de ferro, com 1 ou 2 comprimidos por alguns meses. Mas, geralmente, isto fica reservado para os indivíduos que tenham sofrido de uma hemorragia, por exemplo.

Frutas ricas em ferro

As frutas ricas em ferro são ótimas para prevenir, ou tratar, anemia. A vantagem de utilizar frutas ricas em ferro é que estas são, em geral, também ricas em vitamina C, elemento indispensável para a absorção do ferro de origem vegetal pelo organismo. Conhecer as frutas ricas em ferro pode ser útil, especialmente, para aqueles vegetarianos que precisam enriquecer a dieta em ferro.
Tabela das frutas ricas em ferro
Frutas
Peso
Quantidade de ferro
Morango
152 g
0,6 mg
Abacate
100 g
1 mg
Damasco seco
14 g
0,66 mg
Coco 
33 g 
0,79 mg
Cereja
145 g
0,57 mg
Uva rosa ou vermelha
160 g
0,42 mg
Uvas passa
36 g 
1,75 mg
Amora preta
72 g
0,41 mg

Nozes e amendoins são outros alimentos de origem vegetal com um alto teor de ferro e, por isso, são uma excelente alternativa para enriquecer o lanche da tarde, por exemplo. Para potencializar a absorção do ferro presente nessas frutas deve-se evitar o consumo de alimentos com cálcio na mesma refeição, porque o cálcio diminui a absorção do ferro.

As frutas ricas em ferro são uma ótima alternativa para enriquecer a dieta em ferro e servem também como alternativa complementar na prevenção e tratamento da anemia de crianças, adultos ou gestantes.

Alimentos ricos em ferro de origem vegetal como o feijão, as ervilhas ou a salsa. Estes alimentos devem ser consumidos sempre com uma fonte de vitamina C como laranja, morango ou pimentão, para melhorar a absorção de ferro. Por exemplo, comer arroz com feijão preto e laranja de sobremesa. Além dos alimentos ricos em ferro para anemia, é também importante seguir outras dicas de alimentação como:

Evitar comer alimentos ricos em cálcio com as principais refeições, como iogurtes, pudim, leite ou queijo porque o cálcio é um inibidor natural da absorção do ferro;

Evitar comer alimentos integrais ao almoço e jantar, pois os fitatos presentes nos cereais e fibras dos alimentos integrais, diminuem a eficiência da absorção do ferro presente nos alimentos;

Evitar comer doces, vinho tinto, chocolate e algumas ervas para fazer chá, porque possuem polifenóis e fitatos, que são inibidores da absorção do ferro;

Cozinhar em uma panela de ferro é uma forma de aumentar a quantidade de ferro de alimentos pobres, como o arroz, por exemplo.

Misturar frutas e legumes nos sucos também pode ser uma excelente forma de enriquecer a dieta em ferro. Duas ótimas receitas ricas em ferro são o suco de abacaxi batido no liquidificador com salsinha fresca e o bife de fígado acebolado.

A necessidade diária de ferro, como se pode verificar na tabela, varia consoante a idade e gênero, pois as mulheres têm uma maior necessidade de ferro que os homens, especialmente durante a gravidez.

Faixa etária
Necessidade diária de Ferro
Bebês: 7-12 meses
11 mg
Crianças: 1-3 anos
7 mg
Crianças: 4-8 anos
10 mg
Meninos e Meninas: 9-13 anos
8 mg
Meninos: 14-18 anos
11 mg
Meninas: 14-18 anos
15 mg
Homens: >19 anos
8 mg
Mulheres: 19-50 anos
18 mg
Mulheres: > 50 anos
8 mg
Grávidas
27 mg
Nutrizes: < 18 anos
10 mg
Nutrizes: > 19 anos
9 mg

As necessidades diárias de ferro aumentam na gravidez porque aumenta a quantidade de sangue no organismo e, por isso, é necessário ferro para produzir mais células do sangue, assim como o ferro é necessário para o desenvolvimento do bebê e da placenta. 

Atingir as necessidades de ferro na gestação é muito importante, mas pode ser necessário suplementação de ferro na gravidez, que deve ser sempre aconselhada pelo médico.

Sintomas do excesso de Ferro

Os sintomas de excesso de ferro no sangue podem ser difíceis de se perceber, principalmente nos bebês. Os principais sintomas do excesso de ferro no sangue são:

·         Cansaço;
·         Fraqueza;
·         Impotência;
·         Dor abdominal;
·         Perda de peso;
·         Dor nas articulações;
·         Queda de cabelo;
·         Alterações nos ciclos menstruais;
·         Arritmias;
·         Inchaço;
·         Atrofia testicular.

Geralmente, os indivíduos com excesso de ferro têm a pele cor cinza-azulada ou metálica. O acúmulo de ferro no organismo pode gerar, ainda, o envelhecimento precoce devido ao acúmulo de radicais livres nas células.

Quando o excesso de ferro ocorre após os 40 anos, podem surgir lesões hepáticas e alguns sintomas de excesso de ferro no fígado podem ser aumento de gordura e endurecimento do fígado, cirrose ou câncer de fígado.

O acumulo de ferro no organismo pode ser causado por problemas genéticos, como na hemocromatose, anemia prolongada, transfusões de sangue, alcoolismo ou dieta rica em ferro. O acumulo de ferro é bastante prejudicial à saúde podendo causar doenças cardíacas, câncer, diabetes e artrite.

O diagnóstico do excesso de ferro no organismo é feito através de exame de sangue, o hemograma que avalia também a ferritina. Este exame deve ser realizado anualmente pela população em geral, e duas vezes ao ano por quem sofre de hemocromatose, uma doença genética que altera a absorção de ferro no intestino, ou possui casos como este na família.

Tratamento para excesso de ferro 

O tratamento para excesso de ferro consiste em retirar o excesso de ferro do organismo e tratar os órgãos danificados. Para isso, o ferro deve ser removido do organismo através de flebotomia, um procedimento que consiste na retirada periódica de sangue, cerca de uma ou duas vezes por semana, dependendo da gravidade da doença.

Além deste tratamento, o paciente deve seguir uma dieta específica para reduzir os níveis de ferro no corpo, evitando alimentos ricos em ferro e em vitamina C, e consumindo alimentos ricos em cálcio. Não deve também consumir bebidas alcoólicas, ingerir comprimidos ou vitaminas contendo ferro, comer frutos do mar crus, alimentos processados ou fortificados e não usar utensílios de cozinha de ferro.

Ferritina

A ferritina é uma proteína produzida pelo fígado, que armazena o ferro dentro das células do organismo. Por isso, o exame de ferritina sérica é muito utilizado para diagnosticar a falta ou o excesso de ferro.

Normalmente, em indivíduos saudáveis o valor de referência da ferritina sérica é de 16 a 300 ng/mL em homens e de 4 a 161 ng/mL em mulheres.

Porém, na mulher é normal existir ferritina baixa na gravidez devido ao aumento da quantidade de sangue e da passagem de ferro pela placenta para o bebê.

Ferritina baixa

A ferritina baixa está sempre relacionada com níveis de baixos de ferro e as suas causas podem ser:

·         Anemia ferropriva;
·         Hipotireoidismo;
·         Sangramento gastrointestinal;
·         Sangramento menstrual intenso;
·         Alimentação pobre em ferro e vitamina C;

Os sintomas de ferritina baixa, geralmente, incluem cansaço, fraqueza, palidez, falta de apetite, queda de cabelo, dores de cabeça e tonturas e o tratamento pode ser feito com a ingestão diária de ferro ou com dietas ricas em alimentos com vitamina C e ferro, como carne, feijão ou laranja.

Ferritina alta

Os sintomas de ferritina alta podem indicar o acúmulo excessivo de ferro, porém, em alguns casos, também pode ser sintoma de inflamações ou infecções, estando associada a:

·         Anemia hemolítica e megaloblástica;
·         Doença hepática alcoólica;
·         Hemacromatose;
·         Linfoma de Hodgkin;
·         Infarto do miocárdio em homens;
·         Leucemia.

Geralmente, os sintomas do excesso de ferritina são dor nas articulações, cansaço, falta de ar ou dor abdominal e o tratamento para ferritina alta depende da causa, mas normalmente também é complementado com a retirada de sangue para equilibrar os níveis de ferro e a adoção de dietas com poucos alimentos ricos em ferro ou vitamina C.

Conheça os 7 sinais que podem indicar depressão

A depressão é uma doença que gera sintomas como choro fácil, falta de energia e alterações no peso por exemplo, podendo ser difícil de ser identificada pelo paciente, porque os sintomas podem estar presentes noutras doenças ou serem apenas sinais de tristeza sem se tratar de uma doença com necessidade de tratamento específico.

Porém, a depressão provoca sintomas que estão presente por mais de 2 semanas e é uma doença que no caso de não se fazer tratamento vai piorando, podendo em casos graves, levar ao suicídio. Os 7 principais sinais que podem indicar depressão incluem:
  • Tristeza excessiva;
  • Falta de energia;
  • Irritabilidade fácil ou apatia;
  • Mal-estar geral, principalmente aperto no tórax;
  • Alterações no apetite, que pode levar ao aumento ou perda de apetite;
  • Alterações do sono, como insônia ou muito sono;
  • Perda de interesse por atividades que eram interessantes.
  • Geralmente, estes sinais de depressão surgem durante períodos de grandes alterações na vida dos indivíduos, como adolescência, gravidez ou perda de alguém próximo.

Sintomas físicos de depressão

· Geralmente, os sintomas físicos de depressão incluem choro constante, exagerado para a causa, dor de cabeça constante, que surge logo no início do dia, dores em todo o corpo mesmo depois de descansar, prisão de ventre, aperto no peito, que causa a sensação de bolo na garganta e falta de ar.

· Além disso, pode ocorrer fraqueza, principalmente nas pernas, diminuição da libido, aumento da vontade de comer, que pode levar ao aumento de peso ou perda de peso. Também pode ocorrer alterações nos padrões de sono, podendo levar a mais sonolência ou dificuldade para dormir, o que potencia a irritabilidade.

Sintomas psicológicos da depressão

Os principais sintomas psicológicos da depressão incluem baixa autoestima, manifestada por sentimentos de inutilidade, de culta e incapacidade de realizar as tarefas do dia-a-dia. A tristeza profunda pode causar dificuldade de concentração e tomar decisões, o que prejudica o trabalho e a aprendizagem na escola. Estes sintomas podem ser difíceis de identificar e, por isso, o indivíduo deve consultar um psicólogo ou psiquiatra para avaliar a situação e iniciar o tratamento adequado.

Diferença entre o cérebro normal e com depressão

Através de uma tomografia computadorizada que é um exame recomendado pelo psiquiatra é possível observar que o cérebro de uma pessoa com depressão apresenta menor atividade.

Porém, a atividade cerebral pode ser melhorada com alimentação indicada pelo nutricionista, terapia psicológica, com a prática regular de exercício físico e de atividade sexual que é um antidepressivo natural.

Como vencer a depressão

Para vencer a depressão, além de seguir as orientações médicas, é aconselhado adotar algumas medidas como:

· Fazer algo que sempre te deu prazer;
· Fazer uma lista de prioridades em sua vida;
· Olhar-se no espelho e dizer que você é especial e importante;
· Levante-se e caminhe, mas não olhe para o chão;
· Coma alimentos ricos em triptofano e suplementos de ômega 3,
· Beije pessoas que são importantes para você,
· Pratique atividade física regulamente;
· Pense em coisas positivas e delete de sua mente coisas ruins;
· Veja fotos suas em momentos felizes;
· Cante músicas alegres e que tragam esperança;
· Evite ficar sozinho e faça passeios;
· Não durma mais de 8 horas por noite e não tire cochilos durante o dia;
· Faça psicoterapia;
· Tenha consciência de que ficar triste não vai resolver seus problemas.
· Ao adotar este novo estilo de vida o indivíduo poderá alcançar a cura para depressão mas é importante alimentar-se corretamente e esforçar-se diariamente.

Biomassa de banana verde para Depressão

O consumo da biomassa de banana verde constitui um ótimo remédio caseiro para depressão. Basta colocar cerca de 5 bananas verde numa panela de pressão, cobrir com água e deixar cozinhar por cerca de 10 minutos. Depois deve-se descascar as bananas e batê-las no liquidificador acrescentando uma quantidade mínima de água. A seguir coloque este 'pure' de banana verde em forminas de gelo e guarde no congelador ou freezer. Acrescente 1 cubinho desta biomassa de banana verde em cada uma das refeições.

Um excelente tratamento caseiro para depressão é a biomassa de banana verde devido a presença de potássio, fibras, sais minerais, vitaminas B1 e B6, β-caroteno e vitamina C que possui.

Receita de biomassa de banana verde

Ingredientes

· 5 bananas verdes orgânicas

· Cerca de 2 litros de água

Modo de preparo

Lave bem as bananas e coloque-as ainda com casca numa panela de pressão com água suficiente para cobrir todas as bananas. Leve ao fogo para ferver por cerca de 20 minutos, até que as bananas fiquem bem macias, retire suas cascas e depois bata toda a sua polpa no liquidificador até formar uma mistura homogênea. Se preciso, adicione um pouquinho de água morna.

Para utilizar a biomassa de banana verde, coloque a mistura que sai do liquidificador numa forma de gelo e congele. Depois é só adicionar 1 cubinho na sopa, ou em qualquer preparação como mingau, molhos, ou no preparo de bolos, pães ou biscoitos.

Para utilizar a biomassa de banana verde como tratamento para depressão, deve-se consumir 2 cubinhos por dia, 1 no almoço e outro no jantar.

A banana verde contém amido resistente, que é uma fibra solúvel que se transforma em frutose que confere o sabor doce da banana quando ela amadurece. Este amido resistente favorece o bom funcionamento intestinal e é um grande aliado do sistema imunológico, ajudando no combate à depressão e outras doenças. A biomassa de banana verde ainda ajuda a combater o colesterol e a emagrecer pois confere saciedade.

Grão-de-Bico combate a Depressão

O grão-de-bico combate a depressão, pois além de possuir Ômega 3 e 6 e prevenir contra doenças do coração, seus aminoácidos também ajudam a diminuir os sintomas de nervosismo e ansiedade. O grão-de-bico possui em sua composição aminoácidos fundamentais para a produção de serotonina, um neurotransmissor responsável pelas sensações de prazer e bem-estar, por isso, atua como auxiliar no combate à depressão.

O grão de bico é da família das leguminosas e pode não ser comum na mesa dos brasileiros, principalmente pelo seu alto custo, porém o consumo dessa leguminosa ajuda no desenvolvimento físico, aumenta taxas de ovulação e regula a digestão.

Para que tenha efeito sobre estados depressivos, é preciso comer grão-de-bico regularmente, isso significa aproximadamente 50 g, entre 3 a 4 vezes por semana, e não uma quantidade grande isoladamente ou de vez em quando.

Espinafre combate a depressão

O espinafre ajuda a combater a depressão porque tem propriedades que regulam o humor, sono e apetite devido a sua riqueza em ácido fólico, que é a vitamina B9. A falta de ácido fólico no organismo pode estar envolvida na origem da depressão, por isso, recomenda-se que o paciente com depressão aumente o consumo de alimentos ricos em ácido fólico.

O espinafre é um alimento contra a depressão, pois em 100 g de espinafre existem 150 de ácido fólico. Na depressão o indivíduo tem baixos níveis do hormônio serotonina e o ácido fólico ajuda a aumentar este hormônio.

A dose de ácido fólico recomendada para o adulto saudável é 400 mcg e o médico deve ser consultado para avaliar a suplementação da vitamina B9 para depressão.

Saiba quais são os remédios que podem causar depressão

O efeito colateral de alguns remédios pode causar depressão e um dos principais motivos é a diminuição da produção da serotonina, que é um hormônio responsável pela sensação de bem-estar. No entanto, isso não significa que todas as pessoas que tomam esses remédios fiquem com depressão, pois este é um efeito colateral raro.

Além disso, a interação medicamentosa quando o indivíduo toma vários remédios também pode provocar depressão e, por isso, em caso de dúvida, deve-se procurar o médico que prescreveu os remédios para ele avaliar a necessidade do seu uso ou substituir por outros que não interajam.

Nem todos os pacientes sofrem de depressão após a ingestão de algum destes remédios. Porém, no caso de o paciente apresentar sintomas de depressão, como tristeza profunda, choro fácil ou perda de energia, por exemplo, deve consultar o médico que prescreveu o remédio para ele reavaliar a necessidade do seu uso ou mudar o remédio para outro que não lhe cause sintomas de depressão.

Outras causas possíveis de depressão incluem o processo de divórcio, luto, problemas financeiros ou fim de um relacionamento amoroso, por exemplo.

Chá de hipericão

Um bom remédio caseiro para depressão que pode completar o tratamento clínico desta doença é tomar diariamente o chá de hipericão, porque ele ajuda a restaurar o sistema nervoso.

Ingredientes

2g de folhas e galhos secos de hipericão

1 litro de água

Modo de preparo

Ferva a água e coloque num recipiente com as folhas de hipericão. Tape, deixe amornar, coe e beba a seguir. Pode-se adoçar a gosto. Tomar de 3 a 4 xícaras por dia.

O hipericão, Hypericum perforatum L., também conhecido como erva de São João, possui propriedades que agem como antidepressivo natural em transtornos psicoativos, mau humor de carácter depressivo, ansiedade e/ou agitação nervosa.

O hipericão tem sido considerado como medicamento de primeira-linha no tratamento da depressão leve a moderada. Seu uso está particularmente indicado quando os medicamentos antidepressivos clássicos são mal tolerados e também no tratamento de sintomas psíquicos da menopausa.

O extrato e hipericão pode ser encontrado em lojas especializadas em produtos naturais, mas é só aconselhado que se tome sob indicação e aconselhamento médico.

Perigos escondidos no chá de hipericão

Como pela nossa saúde somos nós efetivamente os principais interessados e responsáveis, aqui fica uma lista de efeitos colaterais e cuidados que se devem ter sempre que se tomar esta planta ou seus derivados.

O hipericão, cujo nome científico é Hypericum perforatum, e que é também conhecido por erva-de-são-joão, é usado como medicamento desde a Grécia antiga.

Na Europa continua a prescrever-se como antidepressivo, mas o que é grave é que, sendo um medicamento de venda livre, não está sujeito a qualquer prescrição médica e qualquer um de nós o pode comprar em lojas de produtos naturais, não estando sujeito a regulação pelo Infarmed. A atuação dos medicamentos, naturais ou não, baseia-se na ação de um princípio ativo e, tal como os medicamentos convencionais, desde que não seja um placebo, se há benefício para o organismo, certamente haverá também algum prejuízo ou efeito indesejável.

Quando compramos um suplemento alimentar, na forma de chá, cápsulas ou outra, não só não sabemos tudo sobre o que estamos a comprar como não conhecemos de todo os seus efeitos colaterais. E, em grande parte dos casos, nem os funcionários que os vendem estão informados sobre isso. Para além disso, como se pensa e diz que "o que é natural é bom", ninguém se lembra de referir o que está a tomar quando inicia um tratamento com medicação convencional e, na maioria dos casos, nem o próprio o médico se lembra de o questionar.

Mas como pela nossa saúde somos nós efetivamente os principais interessados e responsáveis, aqui fica uma lista de efeitos colaterais e cuidados que se devem ter sempre que se tomar esta planta ou seus derivados. Para que nunca nos esqueçamos de informar o médico que nos vai tratar.

Para que se toma a erva-de-são-joão

Embora haja estudos que negam a sua influência benéfica no tratamento de estados depressivos, outros há que evidenciam o seu benefício no tratamento de depressões leves a moderadas e com menos efeitos indesejáveis. No entanto, uma vez que uma depressão leve pode, desde que não tratada, resultar numa depressão grave, é muito importante falar abertamente com o médico acerca dessa decisão e, caso não seja ele a prescrevê-lo, que possa ir monitorizando de perto a evolução desse estado.

De qualquer modo, se desconfiar que tem uma depressão, seja ela leve ou não, a primeira coisa a fazer é consultar o seu médico para um aconselhamento mais avisado. A ideia de que tratar uma depressão com um produto natural pode não fazer bem, mas também não faz mal é completamente errada e até perigosa...

Efeitos secundários

Quem estiver a tomar produtos à base de hipericão pode sentir ou experimentar tonturas, boca seca, dores de estômago, diarreia, náuseas, cansaço e aumento da sensibilidade à luz solar, sendo muito importante nessa altura que as pessoas com pele clara usem protetor solar e evitem totalmente o bronzeamento em solários, devido ao perigo de um maior efeito das radiações ultravioleta sobre a pele.

Interações com medicamentos convencionais
  • Apesar da sua aparente inocuidade, o hipericão pode diminuir ou anular a ação de medicamentos, tais como:
  • Anticoncepcionais, aumentando o risco de uma gravidez indesejada;
  • Antidepressivos, podendo aumentar os sintomas resultantes dos mesmos, como confusão mental, ansiedade, enjoos ou dores de cabeça;
  • Anticoagulantes, usados para diluir o sangue e prevenir tromboses;
  • Imunossupressores, usados para evitar a rejeição de órgãos transplantados;
  • Drogas usadas para fortalecer o músculo cardíaco;  Medicamentos anticancerígenos (de quimioterapia);
  • Medicamentos para controlar infeção por HIV;
  • Antigripais.

Outras situações que exigem especial cuidado
  • Na preparação para gravidez, na gravidez confirmada ou no período de amamentação;
  • Quando se tomam suplementos de aminoácidos, muito comuns em ginásios, sendo muito perigosa a mistura de ambos;
  • Nas cirurgias: não deve tomar-se nem antes nem depois;
  • Na doença bipolar: não deve ser consumido por quem é portador desta patologia

Por isso atenção!


Sempre que estiver a tomar este ou outros suplementos de venda livre, comprados em farmácias, parafarmácias, supermercados ou ervanárias, nunca se esqueça de informar o seu médico caso tenha alguma patologia identificada ou esteja a realizar qualquer tratamento. Não há muita informação científica disponível, mas de uma coisa há a certeza. É que um chazinho, embora pareça inofensivo, pode esconder grandes perigos.