Escolha o Idioma

10/28/2014

One of the key-factors that define Psychopaths is their abnormal reaction to alcohol.

Ps show an incredible desire for alcohol. My Psychopath could not go to a party without drinking. I confronted him at the beginning of our relationship and told him I cannot be with a person who drinks and acts like this, and he of course persuaded me that he can change. Then he would go out and get drunk like hell when I didn't know. 

And while he was drunk - he behaved like crazy - got in a fight, was rude, also to me, the dead-stare was "on" all the time. He looked like a different person. I told him he became a monster and now I know why... 
My very good friend who also knew my Psychopath told me recently that when he saw him drunk he looked like a mess and totally different.

It seems to me all of the Ps cannot resist any kind of temptation, that is why they are like animals. They lack the basic human skill to control the impulses. My idea is that Ps are really like animals. They don't really feel good behaving like humans. They have to wear this masks, but I think it's really uncomfortable for them. It has to be. 

So they probably use liquor to "set free" for a moment (I remember my Psychopath talking proudly of times when he was drinking for days!) - and then they can put the blame on alcohol. 

Just to get a picture - imagine for a moment (scary as it may be:) that you live in a world of Ps. You have to pretend that you are one of them. Thus act like them. I think it would be really hard or almost impossible for us to do, but it gives you kind of a picture of how they must "feel" not being able to be themselves. Kind of like caged animals... I remember my Psychopath being obsessed about freedom...

How Alcohol Causes Mental and Moral Changes

The transforming power or alcohol is marvelous, and often appalling. It seems to open a way of entrance into the soul for all classes of foolish, insane or malignant spirits, who, so long as it remains in contact with the brain, are able to hold possession. Men of the kindest nature when sober, act often like fiends when drunk. Crimes and outrages are committed, which shock and shame the perpetrators when the excitement of inebriation has passed away. Referring to this subject, Dr. Henry Munroe says:

"It appears from the experience of Mr. Fletcher, who has paid much attention to the cases of drunkards, from the remarks of Mr. Dunn, in his 'Medical Psychology,' and from observations of my own, that there is some analogy between our physical and psychical natures; for, as the physical part of us, when its power is at a low ebb, becomes susceptible of morbid influences which, in full vigor, would pass over it without effect, so when the psychical (synonymous with the moral ) part of the brain has its healthy function disturbed and deranged by the introduction of a morbid poison like alcohol, the individual so circumstanced sinks in depravity, and "becomes the helpless subject of the forces of evil, "which are powerless against a nature free from the morbid influences of alcohol."

Different persons are affected in different ways by the same poison. Indulgence in alcoholic drinks may act upon one or more of the cerebral organs; and, as its necessary consequence, the manifestations of functional disturbance will follow in such of the mental powers as these organs subserve. If the indulgence be continued, then, either from deranged nutrition or organic lesion, manifestations formerly developed only during a fit of intoxication may become permanent , and terminate in insanity or dypso-mania. 

M. Flourens first pointed out the fact that certain morbific agents, when introduced into the current of the circulation, tend to act primarily and specially on one nervous centre in preference to that of another, by virtue of some special elective affinity between such morbific agents and certain ganglia. Thus, in the tottering gait of the tipsy man, we see the influence of alcohol upon the functions of the cerebellum in the impairment of its power of co-ordinating the muscles.

Certain writers on diseases of the mind make especial allusion to that form of insanity termed 'dypsomania', in which a person has an unquenchable thirst for alcoholic drinks a tendency as decidedly maniacal as that of homicidal mania ; or the uncontrollable desire to burn, termed pyromania ; or to steal, called kleptomania.

Homicidal mania

The different tendencies of homicidal mania in different individuals are often only nursed into action when the current of the blood has been poisoned with alcohol. I had a case of a person who, whenever his brain was so excited, told me that he experienced a most uncontrollable desire to kill or injure some one; so much so, that he could at times hardly restrain himself from the action, and was obliged to refrain from all stimulants, lest, in an unlucky moment, he might commit himself. 

Townley, who murdered the young lady of his affections, for which he was sentenced to be imprisoned in a lunatic asylum for life, poisoned his brain with brandy and soda-water before he committed the rash act. The brandy stimulated into action certain portions of the brain, which acquired such a power as to subjugate his will, and hurry him to the performance of a frightful deed, opposed alike to his better judgment and his ordinary desires.

As to pyromania , some years ago I knew a laboring man in a country village, who, whenever he had had a few glasses of ale at the public-house, would chuckle with delight at the thought of firing certain gentlemen's stacks. Yet, when his brain was free from the poison, a quieter, better-disposed man could not be. Unfortunately, he became addicted to habits of intoxication; and, one night, under alcoholic excitement, fired some stacks belonging to his employers, for which, he was sentenced for fifteen years to a penal settlement, where his brain would never again be alcoholically excited.

Kleptomania

Next, I will give an example of kleptomania . I knew, many years ago, a very clever, industrious and talented young man, who told me that whenever he had been drinking, he could hardly withstand, the temptation of stealing anything that came in his way; but that these feelings never troubled him at other times. 

One afternoon, after he had been indulging with his fellow-workmen in drink, his will, unfortunately, was overpowered, and he took from the mansion where he was working some articles of worth, for which he was accused, and afterwards sentenced to a term of imprisonment. When set at liberty he had the good fortune to be placed among some kind-hearted persons, vulgarly called teetotallers ; and, from conscientious motives, signed the PLEDGE, now above twenty years ago. 

From that time to the present moment he has never experienced the overmastering desire which so often beset him in his drinking days to take that which was not his own. Moreover, no pretext on earth could now entice him to taste of any liquor containing alcohol, feeling that, under its influence, he might again fall its victim. He holds an influential position in the town where he resides.

I have known some ladies of good position in society, who, after a dinner or supper-party, and after having taken sundry glasses of wine, could not withstand the temptation of taking home any little article not their own, when the opportunity offered; and who, in their sober moments, have returned them, as if taken by mistake. 

We have many instances recorded in our police reports of gentlemen of position, under the influence of drink, committing thefts of the most paltry articles, afterwards returned to the owners by their friends, which can only be accounted for, psychologically, by the fact that the will had been for the time completely overpowered by the subtle influence of alcohol.

Loss of mental clearness

Alcohol, whether taken in large or small doses, immediately disturbs the natural functions of the mind and body, is now conceded by the most eminent physiologists. Dr. Brinton says: 'Mental acuteness, accuracy of conception, and delicacy of the senses, are all so far opposed by the action of alcohol, as that the maximum efforts of each are incompatible with the ingestion of any moderate quantity of fermented liquid. 

Indeed, there is scarcely any calling which demands skillful and exact effort of mind and body, or which requires the balanced exercise of many faculties, that does not illustrate this rule. The mathematician, the gambler, the metaphysician, the billiard-player, the author, the artist, the physician, would, if they could analyze their experience aright, generally concur in the statement, that a single glass will often suffice to take , so to speak, the edge off both mind and body , and to reduce their capacity to something below what is relatively their perfection of work.

A train was driven carelessly into one of the principal London stations, running into another train, killing, by the collision, six or seven persons, and injuring many others. From the evidence at the inquest, it appeared that the guard was reckoned sober, only he had had two glasses of ale with a friend at a previous station. 

Now, reasoning psychologically, these two glasses of ale had probably been instrumental in taking off the edge from his perceptions and prudence, and producing a carelessness or boldness of action which would not have occurred under the cooling, temperate influence of a beverage free from alcohol. Many persons have admitted to me that they were not the same after taking even one glass of ale or wine that they were before, and could not thoroughly trust themselves after they had taken this single glass.

Impairment of memory

An impairment of the memory is among the early symptoms of alcoholic derangement.

"This," says Dr. Richardson, "extends even to forgetfulness of the commonest things; to names of familiar persons, to dates, to duties of daily life. Strangely, too," he adds, "this failure, like that which indicates, in the aged, the era of second childishness and mere oblivion, does not extend to the things of the past, but is confined to events that are passing. On old memories the mind retains its power; on new ones it requires constant prompting and sustainment."

In this failure of memory nature gives a solemn warning that imminent peril is at hand. Well for the habitual drinker if he heed the warning. Should he not do so, symptoms of a more serious character will, in time, develop themselves, as the brain becomes more and more diseased, ending, it may be, in permanent insanity.

Mental and moral diseases

Of the mental and moral diseases which too often follow the regular drinking of alcohol, we have painful records in asylum reports, in medical testimony and in our daily observation and experience. These are so full and varied, and thrust so constantly on our attention, that the wonder is that men are not afraid to run the terrible risks involved even in what is called the moderate use of alcoholic beverages.

In 1872, a select committee of the House of Commons, appointed "to consider the best plan for the control and management of habitual drunkards," called upon some of the most eminent medical men in Great Britain to give their testimony in answer to a large number of questions, embracing every topic within the range of inquiry, from the pathology of inebriation to the practical usefulness of prohibitory laws. 

In this testimony much was said about the effect of alcoholic stimulation on the mental condition and moral character. One physician, Dr. James Crichton Brown, who, in ten years' experience as superintendent of lunatic asylums, has paid special attention to the relations of habitual drunkenness to insanity, having carefully examined five hundred cases, testified that alcohol, taken in excess, produced different forms of mental disease, of which he mentioned four classes: 

1. Mania a potu, or alcoholic mania. 2. The monomania of suspicion. 3. Chronic alcoholism, characterized by failure of the memory and power of judgment, with partial paralysis generally ending fatally. 4. Dypsomania, or an irresistible craving for alcoholic stimulants, occuring very frequently, paroxysmally, and with constant liability to periodical exacerbations, when the craving becomes altogether uncontrollable. Of this latter form of disease, he says: "This is invariably associated with a certain impairment of the intellect, and of the affections and the moral powers ."

Dr. Alexander Peddie, a physician of over thirty-seven years' practice in Edinburgh, gave, in his evidence, many remarkable instances of the moral perversions that followed continued drinking.

Relation between insanity and drunkenness

Dr. John Nugent said that his experience of twenty-six years among lunatics, led him to believe that there is a very close relation between the results of the abuse of alcohol and insanity. The population of Ireland had decreased, he said, two millions in twenty-five years, but there was the same amount of insanity now that there was before. He attributed this, in a great measure, to indulgence in drink.

Dr. Arthur Mitchell, Commissioner of Lunacy for Scotland, testified that the excessive use of alcohol caused a large amount of the lunacy, crime and pauperism of that country. In some men, he said, habitual drinking leads to other diseases than insanity, because the effect is always in the direction of the proclivity, but it is certain that there are many in whom there is a clear proclivity to insanity, who would escape that dreadful consummation but for drinking; excessive drinking in many persons determining the insanity to which they are, at any rate, predisposed . 

The children of drunkards, he further said, are in a larger proportion idiotic than other children, and in a larger proportion become themselves drunkards; they are also in a larger proportion liable to the ordinary forms of acquired insanity.

Dr. Winslow Forbes believed that in the habitual drunkard the whole nervous structure, and the brain especially, became poisoned by alcohol. All the mental symptoms which you see accompanying ordinary intoxication, he remarks, result from the poisonous effects of alcohol on the brain. It is the brain which is mainly effected. 

In temporary drunkenness, the brain becomes in an abnormal state of alimentation, and if this habit is persisted in for years, the nervous tissue itself becomes permeated with alcohol, and organic changes take place in the nervous tissues of the brain, producing that frightful and dreadful chronic insanity which we see in lunatic asylums, traceable entirely to habits of intoxication . A large percentage of frightful mental and brain disturbances can, he declared, be traced to the drunkenness of parents.

Dr. D.G. Dodge, late of the New York State Inebriate Asylum, who, with. Dr. Joseph Parrish, gave testimony before the committee of the House of Commons, said, in one of his answers: "With the excessive use of alcohol, functional disorder will invariably appear, and no organ will be more seriously affected, and possibly impaired, than the brain. 

This is shown in the inebriate by a weakened intellect, a general debility of the mental faculties , a partial or total loss of self-respect, and a departure of the power of self-command; all of which, acting together, place the victim at the mercy of a depraved and morbid appetite, and make him utterly powerless, by his own unaided efforts, to secure his recovery from the disease which is destroying him." And he adds: "I am of opinion that there is a "great similarity between inebriety and insanity.

"I am decidedly of opinion that the former has taken its place in the family of diseases as prominently as its twin-brother insanity; and, in my opinion, the day is not far distant when the pathology of the former will be as fully understood and as successfully treated as the latter, and even more successfully, since it is more within the reach and bounds of human control, which, wisely exercised and scientifically administered, may prevent curable inebriation from verging into possible incurable insanity."

General impairment of the faculties

Dr. Richardson, speaking of the action of alcohol on the mind, gives the following sad picture of its ravages:

"An analysis of the condition of the mind induced and maintained by the free daily use of alcohol as a drink, reveals a singular order of facts. The manifestation fails altogether to reveal the exaltation of any reasoning power in a useful or satisfactory direction. I have never met with an instance in which such a claim for alcohol has been made. On the contrary, confirmed alcoholics constantly say that for this or that work, requiring thought and attention, it is necessary to forego some of the usual potations in order to have a cool head for hard work.

"On the other side, the experience is overwhelmingly in favor of the observation that the use of "alcohol sells the reasoning powers, "make weak men and women the easy prey of the wicked and strong, and leads men and women who should know better into every grade of misery and vice. If, then, alcohol enfeebles the reason, what part of the mental constitution does it exalt and excite? It excites and exalts those animal, organic, emotional centres of mind which, in the dual nature of man, so often cross and oppose that pure and abstract reasoning nature which lifts man above the lower animals, and rightly exercised, little lower than the angels.

It excites man's worst passions

Exciting these animal centres, it lets loose all the passions, and gives them more or less of unlicensed dominion over the man. It excites anger, and when it does not lead to this extreme, it keeps the mind fretful, irritable, dissatisfied and captious.... And if I were to take you through all the passions, love, hate, lust, envy, avarice and pride, I should but show you that alcohol ministers to them all; that, paralyzing the reason, it takes from off these passions that fine adjustment of reason, which places man above the lower animals. 

From the beginning to the end of its influence it subdues reason and sets the passions free. The analogies, physical and mental, are perfect. That which loosens the tension of the vessels which feed the body with due order and precision, and, thereby, lets loose the heart to violent excess and unbridled motion, loosens, also, the reason and lets loose the passion. In both instances, heart and head are, for a time, out of harmony; their balance broken. The man descends closer and closer to the lower animals. From the angels he glides farther and farther away.

A sad and terrible picture

The destructive effects of alcohol on the human mind present, finally, the saddest picture of its influence. The most aesthetic artist can find no angel here. All is animal, and animal of the worst type. Memory irretrievably lost, words and very elements of speech forgotten or words displaced to have no meaning in them. Rage and anger persistent and mischievous, or remittent and impotent. Fear at every corner of life, distrust on every side, grief merged into blank despair, hopelessness into permanent melancholy. Surely no Pandemonium that ever poet dreamt of could equal that which would exist if all the drunkards of the world were driven into one mortal sphere.

As I have moved among those who are physically stricken with alcohol, and have detected under the various disguises of name the fatal diseases, the pains and penalties it imposes on the body, the picture has been sufficiently cruel. But even that picture pales, as I conjure up, without any stretch of imagination, the devastations which the same agent inflicts on the mind. 

Forty per cent., the learned Superintendent of Colney Hatch, Dr. Sheppard, tells us, of those who were brought into that asylum in 1876, were so brought because of the direct or indirect effects of alcohol. If the facts of all the asylums were collected with equal care, the same tale would, I fear, be told. What need we further to show the destructive action on the human mind? The Pandemonium of drunkards; the grand transformation scene of that pantomime of drink which commences with, moderation! Let it never more be forgotten by those who love their fellow-men until, through their efforts, it is closed forever."



Types of alcoholic insanity

An important discussion on the above subject was held at the Boston Society of Psychiatry and Neurology, an account of which is published in the Journal of Nervous and Mental Disease for December, 1904. Dr. H. W. Mitchell of Boston introduced the discussion in a paper based on the study of 148 patients (excluding cases of true dipsomania which exhibited no insane symptoms) at the Danvers Hospital for the Insane, or 13 per cent of the male patients admitted. 

The cases were grouped as follows: delirium tremens, acute and subacute alcoholic hallucinations, delusional alcoholic insanity, and alcoholic dementia. Two were cases of Korsakoff's psychosis polyneuritica of alcoholic origin. He found that among cases of delirium tremens “ nearly all recovered without development of the graver forms of alcoholic insanity”. 

The prognosis in cases of acute alcoholic hallucination was good for the attack but relapses due to renewal of drinking habits were common. These cases were characterised by vivid auditory and visual hallucinations, the former predominating, with little disturbance of consciousness and with transitory delusions probably based upon the hallucinations. In the case of subacute alcoholism there were auditory, visual, olfactory, and tactile hallucinations, with more prolonged persistence of delusions. 

Periodic relapses were seen in these cases during their stay in hospital, the intervals between the attacks being periods of practically normal mental condition. Permanent mental deterioration and dementia were the ultimate goal of this class of cases. Alcoholic delusional insanity was the term used for cases showing a development of delusions somewhat resembling paranoia. In many cases the delusions are elaborated from hallucinations. “ Ideas of marital infidelity, poisoning, and persecution were most common in this class of cases.” 

A tendency to incurable chronicity was observed in many and only a small proportion of cases recovered. Alcoholic dementia comprised cases in which marked mental deterioration and decay of intelligence and morality were the predominant symptoms and this occurred as the result of many years of more or less continuous use of strong spirits. Permanent mental deterioration was observed in all the cases studied. 

Among the various alcoholic psychoses were seen many cases resembling general paralysis, the exact diagnosis being possible only after prolonged observation - weeks or months. 10 per cent of the total cases suffered occasionally from epileptiform convulsions, while suicidal attempts and acts of violence were common in all classes of cases - points of medico-legal interest. 

An alcoholic or an insane parentage was common and made the prognosis bad. Somatic and grandiose delusions with alteration of the sense of personal identity were unfavourable symptoms in delusional cases. In continuing the discussion Dr. Woodbury said that 90% of cases recovered from first attacks of delirium tremens. Dr. Philip O. Knapp said that in the wards and clinics of the Boston City Hospital cases of delirium tremens, hallucination, and alcoholic dementia were fairly common, while paranoid forms were quite rare. 

Dr. Mitchell, in reply, said that alcoholic pseudo-paresis resembling general paralysis was fairly common. Such patients had sluggish pupils which, however, reacted to light. Inequality of the pupils and failure of the reflex to light were found practically only in cases which had had syphilis. The delusional or paranoid cases in his series amounted to nearly one-fifth of the total. Parental intemperance was a common etiological factor. 

The milder forms of alcoholic psychosis occurred in early life frequently in association with habits of drinking. Alcoholic dementia showed itself in middle age or later and was the result of heavy and continuous drinking for many years.

10/25/2014

Pimenta

O tipo certo ajuda a emagrecer e até previne câncer. Frutos do gênero Capsicum também protegem o sistema cardiovascular e os dentes.

Pimentas ajudam no emagrecimento

As pimentas são benéficas para o organismo porque possuem atividades antimicrobiana, anti-inflamatória, anticancerígena, melhoram a digestão, diminuem os níveis de colesterol e, por ter efeito termogênico, ou seja, acelerar o metabolismo, ajudam a emagrecer. Mas nem todas as pimentas trazem esta lista de vantagens. Para colher tais benefícios é preciso que a pimenta seja do gênero Capsicum. 

Esse grupo de pimentas já eram consumidas pelos índios brasileiros e em toda a América Latina antes mesmo da chegada dos europeus no Novo Mundo. Essas pimentas são os tipos mais interessantes para a saúde porque têm como princípio ativo os capsaicinoides. 

As principais pimentas do gênero Capsicum produzidas no Brasil são: jalapeño, pimenta de cheiro, pimenta de bode, cumari-do-Pará, malagueta, dedo-de-moça, murupi, biquinho e cambuci ou chapéu de frade. A quantidade de capsaicinoides de cada uma destas pimentas varia de acordo com a ardência dos frutos, quanto mais picante, maior a quantidade do princípio ativo. 

As pimentas do gênero Capsicum são ricas em vitamina C que aumenta as defesas do organismo, ajudando na prevenção e no combate de infecções como a gripe. Ela também age como um antioxidante, neutralizando os radicais livres instáveis que podem causar danos ao organismo e o envelhecimento. Além disso, esta vitamina fornece resistência aos ossos e dentes e facilita a absorção de ferro no organismo. 

Outra vitamina muito presente nestas pimentas é a E. Ela é importante porque também é antioxidante e por isso age retardando o envelhecimento e ainda protege o organismo contra doenças crônicas não transmissíveis como Parkinson, Alzheimer, câncer e doenças cardiovasculares. 

Os carotenoides, o mesmo pigmento vegetal da cenoura, também estão presentes nas pimentas. Eles são bons para o organismo porque se transformam em vitamina A. Assim, o nutriente será interessante para a visão, na integridade dos epitélios (células que revestem o corpo e formam uma barreira contra infecções) e no crescimento e desenvolvimento do esqueleto. O nutriente ainda possui função antioxidante, que combate envelhecimento e câncer, e previne doenças crônicas como catarata, artrite e doenças cardiovasculares. 

Apesar de todos estes nutrientes, o principal carro-chefe nutricional das pimentas é terem como princípio ativo os capsaicinoides. Eles são importantes para a saúde porque possuem atividades antimicrobiana, anti-inflamatória, anticancerígena, melhoram a digestão, diminuem os níveis de colesterol e ajudam a emagrecer. 

Pimenta pode ajudar a prevenir o câncer

Ajudam a emagrecer: A pimenta é um alimento termogênico, capaz de aumentar o gasto calórico do organismo durante a digestão e o processo metabólico. A substância responsável por isto é a capsaicina que aumenta a taxa metabólica em até 20%. Assim, o consumo de 6 gramas de pimenta queima cerca de 45 calorias. 

Além disso, alguns estudos experimentais apontam que o fruto diminui o desejo de ingerir proteínas, carboidratos e gorduras. Isto provavelmente ocorre porque a pimenta aumenta a atividade do sistema nervoso simpático que afeta o comportamento de ingestão alimentar. 

Combate o câncer: Um estudo publicado no The Journal of Cancer Research dos Estados Unidos, em 2006, descobriu que a capsaicina induz a apoptose, morte celular programada, em células do câncer de próstata. Assim, ela contribui para evitar a proliferação da doença. 

Alguns estudos, entre eles um publicado na National Academy of Sciences of the United States of America, sugerem que a capsaicina também ajudaria a reduzir o crescimento de tumores nas mamas e ovários. O benefício também ocorreria devido à capacidade da substância de induzir a apoptose das células cancerígenas. 

Boa para o coração: Um estudo realizado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul concluiu que a capsaicina presente na pimenta também ajuda a diminuir os níveis do colesterol ruim, LDL. O fruto ainda pode reduzir coágulos no sangue por ter ação vasodilatadora. O resultado é a redução do risco de problemas como hipertensão, infarto e outras doenças cardiovasculares. 

Boa para os dentes: A pimenta estimula a salivação e desta forma neutraliza os ácidos da saliva e protege os dentes e gengivas. Além disso, ela é rica em vitamina C que fornece resistência aos ossos e dentes. 

Protege o estômago: Alguns estudos defendem que a capsaicina presente nas pimentas tem um efeito gastroprotetor, pois aumenta a produção do muco gástrico. Ela também pode combater a bactéria que provoca gastrites e úlceras estomacais. 

Não existe uma quantidade determinada para o consumo da pimenta. A única orientação é não exagerar, como comer o fruto cerca de 3 a 4 vezes ao dia. É interessante que pessoas que não têm problemas de saúde, como a gastrite ou a hemorroidas, ingiram a pimenta entre uma ou duas vezes ao dia. 

A melhor maneira de comer a pimenta é fresca. Assim, todos os nutrientes do fruto são mantidos. As versões na forma de molho, de conservas, de geleia, páprica, desidratada e dessecada também são opções, porém parte dos nutrientes, especialmente as vitaminas, podem ser perdidas no processo. 

Contraindicações

Não existem dados científicos que comprovem que a pimenta causa úlceras ou outros distúrbios digestivos. Porém, por precaução o recomendado é que pessoas que já têm úlcera ou gastrite, evitem o consumo em excesso do fruto. Quem tem hemorroidas também deve tomar cuidado com a pimenta, isto porque em grandes quantidades ela pode levar a irritação do endotélio, que constitui a camada celular interna dos vasos sanguíneo, lembrando que o problema resulta de veias inchadas e que ficam doloridas. 

Riscos do consumo excessivo

Apesar de benéfica para a saúde, a pimenta não pode ser consumida de maneira exagerada. Tome cuidado especialmente com os molhos de pimenta que não usam o fruto in natura, mas o extrato ou óleo concentrado feito a partir de pimentas secas e picantes. Estes molhos em grandes quantidades podem causar queimaduras ou bolhas na boca ou na língua, náusea, alteração respiratória e vômito. 

Já foi comprovado que consumo de doses extremamente altas de capsaicinoides pode levar a morte em ratos. Porém, em seres humanos seria preciso consumir em uma única vez cerca de 1,8 litro de molho de pimenta picante para que o indivíduo fique inconsciente. 

Mastruz

O Mastruz é uma planta medicinal também conhecida por erva de santa maria, lombrigueira, quenopódio ou ambrosia. Ela pode ser utilizada no tratamento de doenças como bronquite e pé de atleta, devido aos óleos essenciais que possui.

O mastruz cresce espontaneamente em terrenos arredores de habitações, possui folhas verde escura, alongadas e de diferentes tamanhos, suas flores são pequenas e de cor esbranquiçada, tem cheiro forte e desagradável e atinge até 70 cm de comprimento. Pode ser comprado em alguns mercados e lojas de produtos naturais e tem o nome cientifico Chenopodium Ambrosioides.
Para que serve o mastruz

O mastruz serve para o tratamento de rouquidão, circulação, pé de atleta, fraturas, gripes, varizes, hemorróidas, tuberculose, angina, asma, parasitas intestinais, repelente de insetos, bronquite, cãibras, resfriados, contusões.

Propriedades do mastruz

O mastruz possui propriedade anti-inflamatória, expectorante, vermífuga, cicatrizante, aromática, sedativa, abortiva, digestiva, antifúngica, antimicrobiana e antiviral. O mastruz também possui propriedades que atuam na constipação intestinal, em coceiras e recuperação da pele ferida por ser emoliente.

Modo de uso do mastruz

Podem ser usadas folhas, flores e sementes em infusões, misturado com leite, tintura, xarope, extrato ou essência, no tratamento de uso interno ou compressas.
Infusão de mastruz: colocar uma xícara de café, da planta fresca com sementes, em 500 ml de água fervente e deixar repousar por 10 minutos. Depois coar e beber uma xícara de 6 em 6 horas. Esta infusão é indicada para o tratamento de problemas de estômago.

Efeitos colaterais do mastruz

Os efeitos colaterais do mastruz incluem irritação na pele e mucosas, dor de cabeça, vômito, aborto, danos no fígado, náuseas e transtornos visuais caso seja usado em doses elevadas.
Contraindicações do mastruz

O mastruz é contra indicado no caso de gravidez e em crianças com menos de 2 anos. O mastruz é uma erva medicinal tóxica e a orientação médica é necessária para definir a dose recomendada.

Alfavaca - Plantas que nos ajudam

A alfavaca (ocimum americanum) é bem conhecida aqui no Brasil, provavelmente você não reconhece-a por este nome porque ela é popularmente chamada de manjericão, folha larga, manjerona ou alfavaca-de-vaqueiro. Seu uso mais comum atualmente é na culinária, mas também é usada na indústria de cosméticos e na medicina popular. O manjericão pode ser ótimo acompanhado de molhos e queijos numa pizza, porém, é na medicina popular que ele merece mais destaque, devido aos benefícios do seu chá.
Propriedades medicinais

A alfavaca é adstringente, antibacteriana, antidiarreica, antifúngica, anti-inflamatória, antimutagênica, antioxidante, antisséptica local, antiviral, carminativa, expectorante, hipoglicemiante e sedativa.

Benefícios da alfavaca
  • Pode ser usada no tratamento de problemas renais.
  • Ajuda na digestão, melhorando casos de má digestão.
  • Ajuda em casos de febre e/ou tosse, diminuindo ambas.
  • Atua aumentando a lactação.
  • Pode ser utilizada em problemas como câimbra do estômago.
  • Catarro, enxaqueca, gripe, náuseas e problemas na garganta são combatidos e evitados pelo chá.
  • Gases, gastrite e vômitos são amenizados.
  • Indicado para pessoas que têm muito estresse e/ou fadiga.
  • É bom para o tratamento da pneumonia, da bronquite e de doenças mentais.
  • Indicado para epilepsia, distúrbios do trato urinário, infecções cutâneas, micoses, prurido, conjuntivite e reumatismo.
  • Pode ser usado para tratar dor de ouvido.
  • Acaba com as aftas.

10/22/2014

ALECRIM


O alecrim é uma das plantas mais conhecidas do mundo devido a sua imensa funcionalidade. Ele pode ser usado em alimentos, como medicamento natural e ainda tem seus poderes esotéricos. Aqui vamos conhecer um pouco mais das principais características dessa planta tão popular e aprenda como usá-la em caso de tratamento de doenças, assim como uma deliciosa e muito fácil receita de batatas temperadas com alecrim.

O alecrim é um das espécies de plantas que faz parte da família das Lamiaceae e biologicamente recebe o nome de Rosmarinus officinalis. De origem do continente europeu, o alecrim já é hoje cultivado em diversos países ao redor do mundo e com isso, outras denominações para essa planta foram aparecendo e você pode encontrar o alecrim com outros nomes dependendo da área de cultivo.
Algumas dessas denominações são: Alecrim da horta, alecrim de jardim, alecrim rosmarino, alecrim de cheiro, alecrim rosmarinho, erva de graça, libanotis e rosmarino. Categorizado como um arbusto e erva condimental e/ou medicinal, o alecrim deve ser cultivado em sol pleno e de preferência em climas de características mediterrâneo, continental, oceânico, subtropical e tropical.

Sendo cultivado com as condições ideais de solo, umidade e iluminação, o alecrim pode crescer até 1,20 metros de altura. Sendo assim, você terá uma planta que floresce durante todo o ano, por isso o alecrim é considerado uma planta perene. O alecrim apresenta-se com folhas filiformes, com tamanho pequeno e sem variação de cor, sendo sempre verdes na parte superior e um pouco branca na parte inferior.
Apresenta alguns pelos bem finos e curtos, característicos da planta. As flores dessa planta variam entre as cores azuis, brancas, roxas e rosas, tendo seu florescimento durante o ano inteiro. Como é uma planta muito popular em jardins, é importante você conheça bem as condições de cultivo para ter sempre lindos ramos e alecrim florescendo. Além de ter uma planta que vai te ajudar bastante na hora de temperar pratos na culinária, você deixará o seu ambiente com um aroma muito mais agradável.

O alecrim é uma planta que gosta de terra bem umedecida e rica em componentes orgânicos. Pode ser cultivada ao sol, mas a planta não gosta de ambientes muito quentes, podendo murchar em caso de ficar muito tempo exposta ao calor. Você pode cultivar o alecrim diretamente no solo ou em vasos que ele se desenvolve bem, como a reprodução é por estaquias, não existe problema em ter essa planta dentro de casa.

O alecrim é muito usado na culinária como tempero. Ele possui um aroma muito agradável e dá um gosto todo especial aos seus pratos.

Com grandes propriedades medicinais, o alecrim possui diversos componentes que podem ser usados no tratamento de muitos problemas de saúde. Na sua composição, podemos encontrar alguns constituintes químicos como, por exemplo, o ácido ascórbico, ácido labiático, ácido rosmarínico, cânfora, elemol, mirceno, rosmanol, timol, tanino, entre outros. 

Cada um desses componentes vai ser responsável no tratamento de diversos problemas de saúde como depressão, reumatismo, cicatrização de feridas, cansaço, debilidade cardíaca, gases intestinais, inapetência, asma, calvície, entre outros problemas de saúde. Você pode usar o alecrim como infusão, pó das folhas, tintura, extrato fluido, decocção, vinho medicinal, banho, xampu, loções capilares e uso externo. Para saber exatamente como usar nesses casos, separamos as dosagens de acordo com a forma de uso.

- Infusão: Você vai fazer a infusão com 1 xícara de cafezinho com folhas secas ou frescas de alecrim para meio litro de água. Colocar no fogo e deixar ferver por 15 minutos. O ideal é tomar 1 xícara de chá com um intervalo mínimo de 6 horas entre elas.
- Pó: o pó é feito das folhas secas e deve ser jogado em ferimentos, ele age como um ótimo cicatrizante.
- Tintura: usar 50 gramas de folhas secas em 1 litro de álcool de cereais. Deixe de molho durante 5 dias, filtre o líquido e o conserve em um recipiente totalmente escuro. A dosagem correta é de 40 gotas diluídas em um copo de água por 10 ou 15 dias. O tratamento ideal para tintura de alecrim é de hemorroidas.

- Extrato Fluido: tomar de 1 a 5 mg por dia.
- Decocção: usar de 50 a 200 ml por dia.
- Banho: você vai ferver 3 xícaras de chá cheias com folhas de alecrim para 1 litro de água. Deixe fervendo por 5 minutos. Coe para retirar as folhas e banhe-se com o “chá” resultante.
- Vinho Medicinal: usar 50 gramas de folhas de alecrim para 1 litro de vinho e deixar apurando durante 10 dias. Filtre o liquido e adoce com mel. Tome 1 cálice da bebida sempre antes das principais refeições.


Existem poucas contra indicações para o alecrim, sendo totalmente tóxico para gestantes, se tomadas em excesso podem causar irritações no intestino, aborto, infecção e irritação na pele. Pessoas com problemas na próstata e com diarreia também não devem fazer uso de nenhum medicamento a base de alecrim.

MANJERICÃO ou BASÍLICO (Ocimum basilicum)

MANJERICÃO ou BASÍLICO (Ocimum basilicum)
UMA EXPLOSÃO DE SABORES E VANTAGENS MEDICINAIS!
ERVAS AROMÁTICAS


CONHECIDO POR AUMENTAR O SABOR DOS PRATOS, DIVERSOS ESTUDOS APONTAM QUE ESTA ERVA CONSUMIDA DIARIAMENTE, TAMBÉM PROMOVE AÇÕES ANTI-INFLAMATÓRIAS, ANTIBACTERICIDAS, ANTI-ENVELHECIMENTO; AUXILIA NO COMBATE AO DIABETES, AO STRESS E NA ARTRITE REUMATÓIDE, TORNANDO-SE UM PODEROSO ALIADO DA BOA SAÚDE!”

De uma riqueza de nutrientes, como a enorme quantidade de vitamina K e cálcio, aos seus óleos antioxidantes, o manjericão oferece uma variedade de benefícios para a saúde. Entre eles destacam-se o ataque aos danos ao DNA e o combate ao stress.

Além disso, semelhante as folhas de hortelã-pimenta, o manjericão é rico em beta-cariofileno, um composto anti-inflamatório que pode tratar doenças como a artrite reumatoide e inflamações do intestino. Usada há milhares de anos, atualmente nota-se uma abundância de evidências científicas para apoiar a reputação do Basílio como uma erva com propriedades medicinais.

HISTÓRIA

O manjericão é uma planta herbácea, aromática e medicinal, conhecida desde a antiguidade pelos indianos, gregos, egípcios e romanos. Ele é dotado também de vasta cultura espiritual e simbolismos, sendo, inclusive, considerado sagrado entre alguns povos hindus, por representar Tulasi, esposa do deus Vishnu. Está relacionado com sentimentos de ódio, amor e luto, mas com certeza é mais amplamente conhecido pelos seus poderes culinários. Do grego, Basílico significa real e possui mais de 60 variedades desta potente erva, diferenciando-se pelo formato e tamanho da folha.

Um dos maiores benefícios do manjericão é a sua habilidade em proteger o DNA, a grande reserva de informação genética do corpo. O DNA é guardado em pequenas unidades funcionais chamadas cromossomas. Os cromossomas podem se danificar em contato com a radiação, produzindo radicais livres, conhecidos por serem espécies reativas ao oxigênio, que alteram o material genético dentro das células e causam mutações que favorecem a produção e crescimento de cancro no organismo.

Dois tipos de flavonoides solúveis em água, a orientina e a vicenina, presentes no manjericão, podem promover proteção contra radicação a nível celular. Num estudo publicado no journal Radiation Research (jornal pesquisa de radiação), ratos receberam orientina ou vicenina antes de serem expostos a radiação nas células da medula óssea. Os cientistas concluíram que ambos os flavonoides reduziram significativamente os danos aos cromossomas por suas propriedades antioxidantes.

ANTI-BACTERICIDA
Numerosos estudos mostram que o manjericão possui propriedades capazes de inibir o crescimento de bactérias patogénicas. Este efeito antibactericida é atributo dos óleos essenciais presentes no manjericão, entre eles incluem-se: ácido rosmarínico, eugenol, linalol, estragol, eugenol, metil chavikol e ácido oleonólico. Num estudo feito por cientisitas iranianos, o óleo essencial de basílico mostrou em testes laboratoriais ser capaz de retardar o crescimento das bactérias nocivas: Staphilococcus aureus, Bacillus cereus e Escherichia coli.

Ainda mais o ácido rosmarínico mostrou ter propriedades efetivas em restringir o crescimento da bactéria Pseudomonas aeruginosa, associada à infecções de pulmão, de acordo com a pesquisa apresentada pelo journal Plant Physiology and Biochemistry.

Algumas espécies de bactérias se tornam resistentes a muitas drogas como antibióticos, tornando-se mais difíceis de tratar. Pesquisadores Búlgaros descobriram que algumas espécies de bactérias resistentes como Enterococcus, Pseudomonas e Staphilococcus, todas foram inibidas quando expostas ao óleo essencial de basílico.

BENEFÍCIOS CARDIOVASCULARES
Pelo seu alto poder antioxidante, pesquisadores encontraram no manjericão um grande protetor da saúde do coração. Num recente estudo plubicado no Journal Oxidative Medicine and Cellular Longevity, cientistas dividiram ratos em 3 grupos por 7 semanas: grupo 1: uma dieta rica em colesterol, grupo 2: dieta rica em colesterol mais extrato de folhas de manjericão e um 3º grupo de controle recebeu apenas uma dieta normal. 

Os resultados mostraram que o extrato de folhas do manjericão preveniu o desenvolvimento do alto colesterol total e colesterol LDL nos ratos alimentados com uma dieta rica em colesterol. Os cientistas concluíram que o extrato da folha do manjericão aumenta o uso do colesterol para a produção de ácidos da bile, fazendo com que se acumule menos no fígado e assim resulte no alto colesterol.

Um outro estudo sugere ainda que a erva também pode baixar a tensão arterial, um potente fator de risco para o desenvolvimento de doença cardiovascular e ataque cardíaco. Pesquisadores Chineses descobriram que ratos hipertensos alimentados com extrato de folhas de manjericão diariamente pós 4 semanas, tiveram a redução da pressão sistólica para 20 mmHg e a diastólica para 15 mmHg (valores padrões ideais).

Como o manjericão é uma rica fonte tanto de magnésio como de betacaroteno, são nutrientes chaves no suporte cardiovascular. O aumento de magnésio na dieta tem sido associado com baixos níveis de inflamação e disfunção endotelial, de acordo com um estudo revisto no American Journal of Clinical Nutrition.

Pesquisadores na Holanda no National Institute for Public Health andthe Environment (RIVM) avaliaram uma relação no consumo entre os carotenoides, tocoferol e vitamina C e a morte por problemas cardiovasculares em homens de 65 anos ou mais, por um período de mais de 15 anos. Os cientistas concluíram que um aumento da ingestão de carotenoides reduziu mortalidade por doenças cardíacas em 20% .

STRESS, ANSIEDADE E SISTEMA IMUNITÁRIO

Embora o stress agudo seja parte normal da vida, o stress crónico e seus distúrbios relacionados, tais como a ansiedade, podem desencadear alterações na resposta do sistema imunitário, inibindo-o.

O manjericão mostrou habilidades em aliviar o stress, de acordo com um estudo publicado no Journal Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine. Os cientistas examinaram os efeitos do extrato de manjericão nos sintomas de stress em 158 homens e mulheres. 

Os pacientes receberam um placebo ou 1200 mg de extrato de manjericão por 6 semanas. No final do estudo, o grupo que recebeu o tratamento mostrou redução de até 39% nos sintomas de stress, como problemas de sono, cansaço e esquecimento e 87,5% relataram melhoras nos problemas sexuais ligados ao stress.

Outro estudo conduzido por cientistas Indianos, revelaram que 35 pessoas com ansiedade que tomaram 1000 mg de extrato de manjericão por 60 dias reduziram a ansiedade em 34,2% e o stress em 27,5%. O extrato da folha do manjericão possui um impacto positivo na regulação no eixo hipotálamo-hipófise-supra-renais (eixo HHA), o sistema que controla a reação do corpo ao stress.

O Manjericão também modula diretamente o sistema imunitário. Pesquisadores do All India Institute of Medical Sciences in New Delhi, na Índia forneceram à 22 homens e mulheres placebo ou 300 mg do extrato da folha do manjericão por 4 semanas. Os participantes que consumiram o manjericão possuíam, em relação ao grupo placebo, melhoras em todos os parâmetros imunológicos: a interleucina-4 e glóbulos brancos (células-T, o exército de defesa do corpo).

FINTAR O DIABETES

Em qualquer plano no controle das diabetes, um dos pontos fundamentais é a regulação do açúcar no sangue. Num estudo de 4 semanas, conduzido por Azad University of Agriculture and Technology in Kanpur, Índia, 40 pacientes com diabetes tipo 2, receberam placebo ou 2,4 gramas de pó seco de folhas de manjericão. No final das 4 semanas, o grupo de tratamento apresentou redução de 17,6% nos níveis de glicose em jejum e 7,3% nos níveis de glicose após as refeições.

É provável que um dos possíveis mecanismos para o efeito do manjericão na queda da glicose, seja o ácido ursólico, que tem demonstrado inibir a alfa-glucosidase, substância que reduz a absorção da glicose pelo intestino delgado e preveni que ela suba no sangue. Além disso, o ácido ursólico, também apresenta propriedades protetoras do coração e proteção anticâncer.

COMBATER A ARTRITE COM SABOR

Enquanto existem milhares de compostos nos óleos essenciais do manjericão, o eugenol demonstra o maior potencial para ajudar no combate a artrite. Ele demonstra uma habilidade em diminuir a atividade da ciclo-oxigenase (COX), uma enzima que diminui a produção de células pró-inflamatório.


Um estudo promovido pela University of Science Malaysia in Kelantan, na Malasia, aponta para os benefícios do eugenol no combate à artrite. Os cientistas induziram a artrite na pata direita e joelhos de ratos, resultando num aumento da inflamação e inchaço. Depois de 26 dias de toma de óleo de rico em eugenol e gengibre, observou-se significante redução do inchaço tanto na pata como no joelho.

10/18/2014

Dislexia – A formação diferenciada do encéfalo dos políticos

Sempre acreditei que político é um ser diferente, (des)dotado de recursos sensoriais no mínimo diferentes do ser humano comum, aqueles a quem eles tudo prometem quando querem se eleger. Para tanto, do que é uma malformação estes indivíduos desenvolvem uma capacidade adaptativa única que, ao invés de os limitar, os torna ímpares no jogo de palavras, no esquecimento do que não interessa, na lembrança do que lhes aprouver em benefício próprio e de sua possível eleição. Aparece ainda mais evidente quando o indivíduo está doido para se reeleger. 

Para quem não sabe, dislexia é uma dificuldade na área da leitura, escrita e soletração, que pode também ser acompanhada de outras dificuldades, como, por exemplo, na distinção entre esquerda e direita (muito comum nos políticos brasileiros), na percepção de dimensões (distâncias, espaços, tamanhos, valores; coisas que se creem ser boas aumentam até o infinito ou se tornam o maior do mundo ou, no caso contrário, pequenos sem valor, quase nada.), na realização de operações aritméticas (discalculia: a Petrobrás que o diga) e no funcionamento da memória de curta duração. Ah, memória de político é algo que eu nem me arrisco a analisar.

A dislexia costuma ser identificada nas salas de aula durante a alfabetização, sendo comum provocar uma defasagem inicial de aprendizado. Não é uma doença e sim uma formação diferenciada do encéfalo que acarreta problemas na aprendizagem, pela dificuldade em decodificar os códigos que lhe são enviados durante os estudos.

A dislexia pode coexistir ou mesmo confundir-se com características de vários outros fatores de dificuldade de aprendizagem, tais como o déficit de atenção/hiperatividade, dispraxia, discalculia, e/ou disgrafia. Contudo a dislexia e as desordens do déficit de atenção e hiperatividade não estão correlacionados com problemas de desenvolvimento.

Tipos

Genética, hormônios durante a gravidez, influência familiar, sistema educacional, socialização, idioma e cultura estão envolvidos na dislexia. O caso mais comum no Brasil.

A dislexia pode ser classificada de várias formas, dependendo da abordagem profissional e dos testes usados no seu diagnóstico (testes fonoaudiológicos, pedagógicos, psicológicos, neurológicos...). Geralmente o diagnóstico é feito por equipe multiprofissional. Uma das possíveis classificações é em:

Dislexia disfonética: Dificuldades de percepção auditiva na análise e síntese de fonemas, dificuldades temporais, e nas percepções da sucessão e da duração (troca de fonemas e grafemas por outros similares, dificuldades no reconhecimento e na leitura de palavras que não têm significado, alterações na ordem das letras e sílabas, omissões e acréscimos, maior dificuldade na escrita do que na leitura, substituição de palavras por sinônimos); Não é a cara dos políticos?

Dislexia diseidética: dificuldade na percepção visual, na percepção gestáltica (percepção do todo como maior que a soma das partes – aqui me parece que posso encaixar a Dilma), na análise e síntese de fonemas (ler sílaba por sílaba sem conseguir a síntese das palavras, misturando e fragmentando as palavras, fazendo troca por fonemas similares, com maior dificuldade para a leitura do que para a escrita – porque ler eles tem que ler mas escrever qualquer um pode fazer para eles, embora não impeça a leitura equivocada daquilo que não escreveram, não entenderam e jamais saberão porque o disseram);

Dislexia visual: deficiência na percepção visual e na coordenação visomotora (dificuldade no processamento cognitivo das imagens – Tá aí a Dilma que não enxerga mais miséria, desemprego, inflação e quando olha para uma obra ou programa vê coisas que só ela enxerga, totalmente distantes da realidade);

Dislexia auditiva: deficiência na percepção auditiva, na memória auditiva e fonética (dificuldade no processamento cognitivo do som das sílabas – Ou seja, político não entende o que lhes é dito ou pior, só entendem o que lhes interessa e distorcem o resto para que lhes possa interessar);

Dislexia mista: que seria a combinação de mais de um tipo de dislexia.

10/16/2014

Alcoolismo: alerta, sinais e sintomas

Anasarca
Sintoma caracterizado por um inchaço distribuído pela pele de todo corpo devido ao derrame de fluido no espaço extracelular. Inclui também ascite. Embora por si só não leve à morte, a doença que a causa pode matar. Por exemplo, o alcoolismo. Algumas das doenças mais graves com este sintoma incluem falência renal e insuficiência hepática que matam por não eliminar todas as toxinas do corpo humano e porque os órgãos não realizam suas funções adequadamente.

Ascite
Acumulação de fluidos na cavidade do peritônio. É comum devido à cirrose e doenças graves do fígado, e sua presença pode esconder outros problemas médicos. Um deles pode ser o alcoolismo crônico.

Astenia
Fraqueza orgânica, porém sem perda real da capacidade muscular. Caso ocorra perda muscular, passa a ser chamado de miastenia. Aparece com frequência na síndrome de abstinência.

Ataxia
Ou distaxia é um transtorno neurológico caracterizado pela falta de coordenação de movimentos musculares voluntários e o equilíbrio que pode ser causada pelo abuso de álcool. É normalmente associada a uma degeneração ou bloqueio de áreas específicas do cérebro e cerebelo.

Ataxia cerebelar: Causada por danos à vias cerebelares, resultam da perda de coordenação motora e planejamento dos movimentos. Os sintomas dependem da área do cerebelo afetada.

Ataxia vestibular: Causada por danos à via vestíbulo-ponto-cerebelar, resultam da perda de equilíbrio gerando vertigem e náusea.

Ataxia sensorial: Causada por danos às vias aferentes e posteriores, resultam da perda de propriocepção (percepção de si mesmo no espaço).

Bradicardia
Termo utilizado na medicina para designar uma diminuição na frequência cardíaca. Convenciona-se como normal no ser humano uma frequência cardíaca entre 60 e 100 batimentos por minuto. Frequências abaixo de 60 constituem a bradicardia.

Disartria
Distúrbio neurológico caracterizado pela incapacidade de articular as palavras de maneira correta e, entre as principais causas, estão as lesões nos nervos centrais e doenças neuromusculares como a Miastenia Gravis (MG). O alcoolismo pode levar a esse distúrbio.

Dispneia
Também chamada de falta de ar é um sintoma no qual a pessoa tem desconforto para respirar, normalmente com a sensação de respiração incompleta. É um sintoma comum a um grande número de doenças.

Esplenomegalia
Também denominada megalosplenia, consiste no aumento do volume do baço, que normalmente pesa 150 g e tem até 13 cm de comprimento em seu maior eixo. A esplenomegalia pode ser causada por diversos motivos entre eles a cirrose decorrente de alcoolismo crônico.

Halitose
É um sinal de que algo no organismo está em desequilíbrio e deve ser identificado e tratado. Existem mais de 50 causas que podem ser de origem fisiológica (hálito da manhã, jejum prolongado, dietas inadequadas...), ou mesmo razões sistêmicas (diabetes, problemas renais ou hepáticos causados entre outros por alcoolismo crônico).

Hematêmese
Saída pela boca de sangue com origem no sistema gastrointestinal, habitualmente do esôfago ou do estômago. É também referido como "vômito de sangue". Pode ser causado por rotura de varizes esofágicas, ou ulceração com hemorragia do estômago, decorrentes de alcoolismo crônico.

Hemoptise
Expulsão sanguínea ou sanguinolenta através da tosse, proveniente de hemorragia na árvore respiratória.

Hepatomegalia
Condição na qual o tamanho do fígado está aumentado. Geralmente indica a existência de uma hepatopatia (doença do fígado). Normalmente a hepatomegalia é assintomática. O aumento pode ser causado por hepatite, a uma infiltração gordurosa, a uma congestão sanguínea ou a uma obstrução inicial das vias biliares; O alcoolismo crônico pode causar essa doença.

Hiperestesia
Distúrbio neurológico que se dá pelo excesso de sensibilidade de um sentido ou órgão a qualquer estímulo. É o aumento da intensidade das sensações. A Hiperestesia se acompanha, em geral, de exaltação dos reflexos tendinosos, maior excitabilidade da sensibilidade fisiológica e aceleração do ritmo dos processos psíquicos. Nos estados de grande ansiedade, de fadiga ou esgotamento, por exemplo, onde a capacidade adaptativa está comprometida, a audição e o tato podem estar aumentados. Pode também ser causada pelo alcoolismo crônico.

Hipoestesia
Perda ou diminuição de sensibilidade em determinada região do organismo. Ocorre com mais frequência em lesões de neurônios periféricos. O termo também é utilizado na psicopatologia e significa quando pacientes depressivos percebem que o mundo ao seu redor é mais escuro; os alimentos não tem mais sabor e os odores quase não são percebidos. O alcoolismo crônico pode ser causador dessa situação.

Icterícia
Sinal clínico caracterizado pela coloração amarelada de pele, mucosas e escleróticas devido a um aumento de bilirrubina no sangue maior que 2 mg/dl (hiperbilirrubinemia). Há algumas causas possíveis para o aumento dos níveis de bilirrubina no sangue. Uma delas é a hepatite alcoólica.

Melena
Ou Malena se refere a fezes pastosas de cor escura e cheiro fétido, sinal de hemorragia digestiva alta. A cor escura se refere às modificações bioquímicas sofridas pelo sangue na luz intestinal colonizada por bactérias. A hemorragia digestiva pode ser causada por alcoolismo crônico.

Noctúria
Necessidade de se levantar durante a noite para esvaziar a bexiga, interrompendo assim o sono. Pode ser causada por cirrose hepática e essa por alcoolismo crônico.

Parestesia
Parestesias são sensações cutâneas subjetivas que são vivenciadas espontaneamente na ausência de estimulação. Formigamento é a sensação causada por falta de circulação sanguínea. Acontece por obstrução momentânea da passagem de sangue a alguma região do corpo. Assim que a irrigação sanguínea é restabelecida, o corpo reage com a sensação de estímulo cutâneo. Pode ser causada por alcoolismo crônico.

Respiração de Cheyne-Stokes
Respiração periódica ou cíclica, é o padrão respiratório que se caracteriza por um movimento respiratório lento crescente e decrescente, que ocorre a cada 40 a 60 segundos. O mecanismo básico consiste em momentos de hiperventilação intercalados com apneia. momento da respiração profunda é o causador do retardo da condução do sangue para o centro respiratório cerebral, o qual sofre uma depressão excessiva.

Encefalopatia Alcóolica

A deficiência de tiamina (vitamina B1) pode levar a uma síndrome chamada de encefalopatia de Wernicke, que caracteriza- se pelo desenvolvimento de sintomas psicóticos, oftalmoplegia, nistagmo, ataxia do andar e do manter- se em pé. Os estágios agudos, se não tratados podem ser seguidos por uma situação prolongada e na maior parte das vezes irreversível, a síndrome de Korsakoff, caracterizada clinicamente por distúrbios da memória, alteração grave da memória remota (amnésia retrógrada), incapacidade de adquirir novas informações e confabulação. Como as duas síndromes estão intimamente ligadas, o termo síndrome de Wernicke-Korsakoff é frequentemente aplicado.

A síndrome é composta por uma tríade de anormalidades clínicas: oftalmoplegia, ataxia e confusão mental. Esses seriam os pilares no diagnóstico da síndrome; porém, não é necessária a presença de todos esses sintomas para diagnosticar a SWK, sendo mais rotineiramente encontrados sinais isolados (de oftalmoplegia e/ou desorientação e/ou estupor e/ou coma). 

Os movimentos oculares podem consistir em nistagmo horizontal e vertical, fraqueza ou paralisia do músculo reto lateral e do olhar conjugado. Em casos avançados, pode-se encontrar oftalmoplegia completa. A confusão mental é caracterizada por diminuição do estado de alerta e atenção e alteração senso-perceptual e da memória. Algumas vezes há progressão para coma.

A síndrome Wernicke-Korsakoff é particularmente comum no cenário do alcoolismo crônico. As características anatomopatológicas variam de acordo com o estágio e a gravidade da doença. Pacientes em fase aguda podem ter alterações em corpos mamilares, hipotálamo e região periventricular do tálamo (acima do aqueduto). Os corpos mamilares, especialmente os núcleos mediais, são as estruturas mais amiúde afetadas e estão acometidos em quase todos os casos. 

Exames histopatológicos, em casos agudos, demonstram edema, necrose, desmielinização, discreta perda neuronal, degeneração esponjosa e aumento de vasos sanguíneos como resultante da hiperplasia; quando há hemorragia petequial, eritrócitos e hemossiderina estão presentes, bem como macrófagos. Nos casos crônicos, há perda neuronal mais marcante e gliose. A ressonância nuclear magnética é um exame complementar útil na detecção dessas lesões cerebrais, enquanto a tomografia cerebral é, em muitos casos, ineficaz.

O tratamento da síndrome de Wernicke-Korsakoff deve ser imediatamente iniciado com a administração de tiamina, uma vez que esta previne a progressão da doença e revertem as anormalidades cerebrais que não tenham provocado danos estruturais estabelecidos. Os pacientes devem ser hospitalizados e deve ser administrada tiamina por via endovenosa diariamente por vários dias, em função da absorção intestinal comprometida dos alcoolistas.

Pode ocorrer uma recuperação significativa da função cognitiva, dependendo de fatores como idade e abstinência contínua, mas esta não pode ser predita acuradamente durante os estágios agudos da doença. Interessantemente, uma vez recuperado, o paciente com Korsakoff raramente solicita bebida alcoólica, mas poderá beber se lhe for oferecida.Encefalopatia Alcóolica 

A deficiência de tiamina (vitamina B1) pode levar a uma síndrome chamada de encefalopatia de Wernicke, que caracteriza- se pelo desenvolvimento de sintomas psicóticos, oftalmoplegia, nistagmo, ataxia do andar e do manter- se em pé. Os estágios agudos, se não tratados podem ser seguidos por uma situação prolongada e na maior parte das vezes irreversível, a síndrome de Korsakoff, caracterizada clinicamente por distúrbios da memória, alteração grave da memória remota (amnésia retrógrada), incapacidade de adquirir novas informações e confabulação. Como as duas síndromes estão intimamente ligadas, o termo síndrome de Wernicke-Korsakoff é frequentemente aplicado. 

A síndrome é composta por uma tríade de anormalidades clínicas: oftalmoplegia, ataxia e confusão mental. Esses seriam os pilares no diagnóstico da síndrome; porém, não é necessária a presença de todos esses sintomas para diagnosticar a SWK, sendo mais rotineiramente encontrados sinais isolados (de oftalmoplegia e/ou desorientação e/ou estupor e/ou coma). 

Os movimentos oculares podem consistir em nistagmo horizontal e vertical, fraqueza ou paralisia do músculo reto lateral e do olhar conjugado. Em casos avançados, pode-se encontrar oftalmoplegia completa. A confusão mental é caracterizada por diminuição do estado de alerta e atenção e alteração senso-perceptual e da memória. Algumas vezes há progressão para coma. 

A síndrome Wernicke-Korsakoff é particularmente comum no cenário do alcoolismo crônico. As características anatomopatológicas variam de acordo com o estágio e a gravidade da doença. Pacientes em fase aguda podem ter alterações em corpos mamilares, hipotálamo e região periventricular do tálamo (acima do aqueduto). Os corpos mamilares, especialmente os núcleos mediais, são as estruturas mais amiúde afetadas e estão acometidos em quase todos os casos. 

Exames histopatológicos, em casos agudos, demonstram edema, necrose, desmielinização, discreta perda neuronal, degeneração esponjosa e aumento de vasos sanguíneos como resultante da hiperplasia; quando há hemorragia petequial, eritrócitos e hemossiderina estão presentes, bem como macrófagos. Nos casos crônicos, há perda neuronal mais marcante e gliose. A ressonância nuclear magnética é um exame complementar útil na detecção dessas lesões cerebrais, enquanto a tomografia cerebral é, em muitos casos, ineficaz. 

O tratamento da síndrome de Wernicke-Korsakoff deve ser imediatamente iniciado com a administração de tiamina, uma vez que esta previne a progressão da doença e revertem as anormalidades cerebrais que não tenham provocado danos estruturais estabelecidos. Os pacientes devem ser hospitalizados e deve ser administrada tiamina por via endovenosa diariamente por vários dias, em função da absorção intestinal comprometida dos alcoolistas. 

Pode ocorrer uma recuperação significativa da função cognitiva, dependendo de fatores como idade e abstinência contínua, mas esta não pode ser predita acuradamente durante os estágios agudos da doença. Interessantemente, uma vez recuperado, o paciente com Korsakoff raramente solicita bebida alcoólica, mas poderá beber se lhe for oferecida.

Encefalopatia hepática

Dentre as complicações causadas pelo alcoolismo crônico pode-se destacar a encefalopatia hepática (EH), que é uma síndrome neuropsiquiátrica que ocorre em consequência de falência hepática aguda, subaguda ou crônica. A encefalopatia hepática (também denominada encefalopatia do sistema porta, ou coma hepático) é uma perturbação pelo qual a função cerebral se deteriora devido ao aumento no sangue de substâncias tóxicas como o álcool que o fígado devia ter eliminado em situação normal.

Manifesta-se de forma variável, desde pequenas alterações de personalidade e na cognição, até uma diminuição significativa da memória e da atenção. Do ponto de vista motor, pode ir desde ligeiros déficits motores até a hipertonia, hiperreflexia e sinal de Babinski positivo. No que se refere à consciência, pode alcançar o coma. 

A forma mais branda de encefalopatia hepática é difícil de detectar clinicamente, mas pode ser demonstrada em testes neuropsicológicos. Ocorre esquecimento, confusão leve e irritabilidade. A encefalopatia grave é caracterizada por um padrão de sono-vigília invertido (dormindo de dia, ficando acordado durante a noite), irritabilidade acentuada, tremores, dificuldades de coordenação, e problemas na escrita.

As formas mais graves de encefalopatia hepática levam a um rebaixamento do nível da consciência, letargia, sonolência e, eventualmente, coma. Nos estágios intermediários, um movimento característico ao se empurrar os membros é observado, o asterixis ou flapping, que desaparece à medida que piora a sonolência. Há desorientação e amnésia, e comportamento desinibido pode ocorrer. Coma e convulsões representam o estágio mais avançado; edema cerebral (inchaço do tecido cerebral) pode levar à morte.

Os sintomas da encefalopatia hepática são o resultado de uma função cerebral alterada, especialmente uma incapacidade de permanecer consciente. Nas primeiras etapas, aparecem pequenas mudanças no pensamento lógico, na personalidade e no comportamento. O humor pode mudar, e o juízo alterar-se. À medida que a doença avança, aparece sonolência e confusão e os movimentos e a palavra tornam-se lentos. A desorientação é frequente. Uma pessoa com encefalopatia pode agitar-se e excitar-se, mas não é habitual. Também são frequentes as convulsões. Finalmente, a pessoa pode perder o conhecimento e entrar em coma.

A encefalopatia ocorre frequentemente em conjunto com outros sintomas e sinais de insuficiência hepática. Estes podem incluir icterícia (coloração amarelada da pele e da esclera dos olhos), ascite (acúmulo de líquido na cavidade abdominal), e edema periférico (inchaço das pernas devido ao acúmulo de fluidos sob a pele). Os reflexos tendinosos podem ser exagerados, e o reflexo plantar pode ser anormal, ou seja, extensão e não de flexão (sinal de Babinski) na encefalopatia grave.

A encefalopatia desencadeia-se, em geral, devido a uma infecção aguda ou ao excesso de bebidas alcoólicas, o que aumenta a lesão do fígado. Certos medicamentos, especialmente alguns sedativos, analgésicos e diuréticos também podem originar encefalopatia. Quando se suprime a causa desencadeadora, a encefalopatia pode desaparecer.

Os sintomas devidos à alteração da função cerebral numa pessoa com uma doença hepática fornecem informação importante para o seu diagnóstico. A respiração pode ter um odor adocicado; além disso, ao estender os braços não consegue manter as mãos imóveis, apresentando um tremor notório. Nos comas graves provocados por uma inflamação agudo do fígado, a encefalopatia é mortal em mais de 80 por cento dos casos apesar da prescrição de um tratamento intensivo.

10/15/2014

Intoxicação alcoólica crônica

O regular e excessivo consumo de bebidas alcoólicas é responsável pela toxicodependência mais frequente em toda a população mundial.

O alcoolismo é uma doença que pode ser provocada quer por fatores psicológicos como sociais. Entre os fatores psicológicos com predisposição para a doença, destaca-se a influência que um meio em que se aceita ou se promove o consumo regular de álcool pode ter nas crianças e nos adolescentes, pois nestas idades a imitação dos atos dos adultos é extremamente importante no processo de aprendizagem. Para além disso, como o álcool tem um efeito desinibidor e atenuante da ansiedade, muitas pessoas têm tendência para consumir bebidas alcoólicas quando se encontram em situações difíceis ou, muito frequentemente, para vencerem inibições ou compensarem frustrações.

A influência do comércio e da publicidade, associada a alguns hábitos e ações socialmente aceites, como a ideia de que as bebidas alcoólicas são imprescindíveis em qualquer tipo de celebrações, também constituem um papel muito importante na motivação para se beber, logo, na origem desta doença.

Por último, é preciso referir que o desencadear dos mecanismos de dependência está intimamente relacionado com o álcool etílico, uma das características próprias desta droga.

Intoxicação aguda

A intoxicação alcoólica aguda, que costuma originar um estado de embriaguez (ou bebedeira), é provocada pelos efeitos deletérios do álcool sobre o sistema nervoso central.

O álcool ingerido com as bebidas alcoólicas costuma ser absorvido no tubo digestivo, de onde passa para a circulação sanguínea. Embora uma pequena quantidade do álcool seja eliminada através da urina, do suor e da respiração, a restante permanece na circulação sanguínea, onde é captada e gradualmente metabolizada pelas células hepáticas.

Os efeitos tóxicos do álcool sobre o sistema nervoso central são proporcionais à taxa de alcoolemia, a denominação atribuída à concentração de álcool no sangue. De fato, uma taxa de alcoolemia de 0,5 g/l provoca uma sensação de tranquilidade e bem-estar, enquanto que se essa taxa alcançar ou superar os 0,8 g/l costuma proporcionar a perda do sentido de autocrítica, desinibição e euforia. A partir dos 2 g/l, a alcoolemia causa dificuldades nas funções intelectuais, uma significativa diminuição dos reflexos, problemas ao nível da locomoção e da articulação das palavras e alterações do estado de ânimo. Uma taxa de alcoolemia de 3 g/l provoca um estado de coma e com 4 g/l costuma originar a morte do indivíduo por parada cardiorrespiratória.

Manifestações e evolução

Intoxicação alcoólica crônica

O regular e excessivo consumo de bebidas alcoólicas durante um prolongado período de tempo costuma provocar uma série de lesões orgânicas, correspondentes a uma intoxicação alcoólica crônica, que dá origem a várias repercussões significativas a nível afetivo, social e profissional. No entanto, estas lesões orgânicas e as suas manifestações podem levar entre 5 a 20 anos a evidenciarem-se, consoante a quantidade de álcool regularmente ingerida, a frequência das intoxicações agudas, o estado físico e nutricional do paciente e a sua relação com o meio que o rodeia.

As principais manifestações físicas da intoxicação alcoólica crônica costumam corresponder a determinados problemas hepáticos, do tubo digestivo e do sistema nervoso.

Os problemas hepáticos, normalmente provocados pelo efeito nocivo do álcool sobre as células do fígado, evoluem de forma progressiva ao longo dos anos. Na fase inicial da sua evolução, o álcool vai provocando a deterioração do fígado, um problema que normalmente não manifesta qualquer sintoma, no qual as células do fígado vão acumulando gordura no seu interior. Em alguns casos, o álcool também pode provocar uma grande inflamação do fígado, uma hepatite alcoólica que se manifesta através de dores abdominais, náuseas e vômitos, debilidade geral e coloração amarela da pele e da mucosa (icterícia). Embora estes dois problemas possam ceder, se se deixar de consumir álcool, as lesões continuam a evoluir até provocarem outros problemas mais graves e irreversíveis, tais como a cirrose alcoólica e a insuficiência hepática, com todas as suas complicações.

Os problemas digestivos característicos do alcoolismo são provocados pela inflamação crônica originada pela presença do álcool na mucosa do tubo digestivo. Entre as suas consequências mais graves destacam-se a úlcera gastroduodenal, o câncer do esôfago e o do estômago, a síndrome de má absorção intestinal, um problema que impede a correta absorção dos nutrientes, piora o estado nutricional do paciente e provoca lesões no encéfalo devido ao défice de vitamina B1.

Os problemas neurológicos são provocados pelos efeitos tóxicos do álcool sobre as células nervosas e pelo déficit sustentado de vitamina B1. Nas fases iniciais, costumam provocar uma encefalopatia, a qual se caracteriza por perda de memória, irritabilidade e delírios persecutórios. São igualmente frequentes as alucinações auditivas, em que o paciente ouve vozes inexistentes que o ameaçam. 

Embora estes problemas neurológicos sejam reversíveis, caso não se interrompa a ingestão de álcool, as lesões irão continuar a evoluir até originarem outro tipo de doenças igualmente típicas do alcoolismo, mas estas muitas vezes irreversíveis. Uma delas é a polineurite, uma inflamação simultânea de vários nervos, que se manifesta por formigueiros e atrofia muscular nos membros. 

Uma outra é a doença de Korsakov, que normalmente se caracteriza por uma considerável perda da memória, que o paciente tenta esconder com recordações inventadas. Por fim, um outro problema neurológico frequente é a encefalopatia de Gayet-Wernicke, que costuma provocar perda de memória e manifestações visuais, tais como perda da acuidade visual e paralisia dos globos oculares.

Por outro lado, a dependência do álcool, os problemas orgânicos provocados pela intoxicação alcoólica crônica e os eventuais episódios de intoxicação aguda acabam por deteriorar de forma evidente a relação do paciente com o ambiente afetivo, social e profissional que o rodeia, sendo por isso frequente que o alcoólico instigue com alguma frequência discussões domésticas, maltrate as crianças, abandone o lar, perca o emprego e, por fim, fique numa situação de completo isolamento, tendo na bebida o seu único refúgio.

O álcool etílico ou etanol, conhecido como álcool, apesar de ser uma substância utilizada para fins médicos devido às suas propriedades antissépticas, é igualmente um componente que define e está sempre presente nas bebidas alcoólicas. Embora a aquisição destas bebidas seja legal, o álcool deve ser considerado uma droga, pois pode provocar uma evidente dependência psíquica e física, tolerância ou necessidade de aumentar progressivamente as doses, de modo a conseguir os mesmos efeitos e uma síndrome de abstinência com graves manifestações. No fundo, o álcool tem, à semelhança de todas as substâncias psicoativas, as características necessárias para a dependência.

Síndrome de abstinência

Uma das manifestações mais típicas do alcoolismo é a síndrome de abstinência consequente da interrupção da ingestão de álcool. Os sinais e sintomas mais característicos são tremor, debilidade, diarreia e suores abundantes. Normalmente, estes sinais e sintomas manifestam-se de manhã, quando o álcool começa a desaparecer da circulação sanguínea, podendo diminuir de intensidade, se o paciente beber alguma bebida alcoólica, o que constitui uma das causas - e também uma desculpa - para que muitos indivíduos alcoólicos comecem a beber logo após acordarem, o que constitui um claro sinal de que a pessoa desenvolveu uma grande dependência do álcool.

Em alguns casos, as manifestações da abstinência são mais graves, como sucede, por exemplo, com o conhecido delirium tremens, que se costuma manifestar alguns dias após a interrupção da ingestão de bebidas alcoólicas, caracterizando-se por uma grande agitação psicomotora, tremor, suores, febre intensa, desorientação, confusão mental, convulsões e alucinações assustadoras, sobretudo visuais, nas quais o paciente costuma ter zoopsias (alucinações visuais de animais, geralmente insetos, répteis ou outros animais repugnantes) aterrorizadores que o perseguem e ameaçam. Embora os sintomas costumem, na maioria dos casos, desaparecer espontaneamente ao fim de alguns dias, convém hospitalizar o paciente, pois através do seu oportuno tratamento consegue-se atenuar o risco de morte.